Irmãs Preciosinas

História

A fundadora das Irmãs do Preciosíssimo Sangue, Maria Matilde Bucchi, nasceu em Agrate Brianza (MB), no dia 18 de maio de 1812. Filha de Giuseppe e Maria Teresa Pirola sendo a sexta dos oito filhos do casal. Foi batizada no mesmo dia em que nasceu na paróquia de Santo Eusébio, em Agrate pelo vigário, Padre Eustachio Mornelli. Com apenas seis anos foi admitida para receber o Sacramento da Confirmação em Vimercate. O seu Pároco, Padre Carlandrea Rancati, depois de examiná-la, impressionado pela inteligência singular pelas coisas de Deus que ainda criança já revelava, não teve nenhuma dúvida em permitir que recebesse o Sacramento. Com doze anos de idade, Maria Bucchi recebeu o Sacramento da Primeira Eucaristia marcando profundamente o início de um caminho interior que pouco a pouco foi orientado com crescente clareza nos anos de sua adolescência. Neste caminho “Deus mesmo foi o seu mestre! ”. Em virtude da modesta condição familiar, pode frequentar por pouco tempo a escola, assim sua educação se deu em meio à sua família e na paróquia, sobretudo nos estudos do catecismo e da História Sacra, como chamavam então o estudo da Bíblia com os fiéis.

Para ajudar sua família, Maria Bucchi teve que trabalhar desde muito cedo em Monza, na fábrica de fiação Corti, uma das mais equipadas industrias no território, onde trabalhou por vários anos, permanecendo em um anexo durante toda a semana. Esta árdua experiência de trabalho, ela tornou ocasião e instrumento de crescimento espiritual seja pela sua amizade com Ancilla, futura fundadora em Monza, do mosteiro das Adoradoras Perpétuas do Santíssimo Sacramento, seja pela frequência com que visitava o Santuário de Santa Maria de Carrobiolo, dos padres Barnabitas.

Deus a inspirou sair da sua terra, Agrate, confiando-lhe uma missão maior. Maria Bucchi partilhava com Ancilla sobre suas perspectivas para o futuro e suas motivações sobre a possível escolha da consagração religiosa, para transmitir o amor oblativo e redentor de Cristo ao Pai e aos irmãos.

Em 1849, Ancilla fundou em Monza o Mosteiro das Adoradoras. Maria Bucchi pediu-lhe para fazer parte dessa escolha de vida, porém Ancilla, iluminada por Deus, responde: “Tu serás fundadora de uma Congregação que terá como propósito principal a educação dos jovens! ”. Passaram-se vinte e sete anos antes que se realizasse a profecia de Ancilla. Este longo período, foi marcado pela difícil procura de perspectiva acertada e pela incerteza no amanhã. Contudo, Maria Bucchi soube prolongar a espera de uma clara indicação do próprio Deus, tornando-se disponível a todo serviço que lhe fosse pedido. Em 1852, aceitou colaborar com as Filhas da caridade Canossianas, na educação de pobres adolescentes, no Instituto delas em Monza. Uniram-se a Maria Bucchi outras companheiras e, logo formaram uma comunidade e as filhas da caridade procuraram dar um nome de forma jurídica como “Terciárias Canossianas”, segundo um projeto elaborado pela fundadora delas, Santa Maddalena di Canossa. Tal Instituição não obteve aprovação da Igreja, pois não era permitido juridicamente a existência de uma Congregação ao interno de uma outra. Maria Bucchi e suas companheiras tiveram que perseverar muitos anos na procura de uma identidade.

Em 1874, por intervenção do arcebispo de Milão, Monsenhor Luigi Nazari di Calabiana, a comunidade das terciárias se separou das Canossianas e se constituiu como Congregação autônoma no antigo convento das Beneditinas de Santa Margarida. Foi determinante neste momento de transição a ajuda de Monsenhor Francesco Zanzi, arcipreste de Monza e, do Barnabita Padre Giusto Pantalini, encarregado pelo arcebispo de estabelecer as Regras do novo Instituto.

No dia 17 de maio de 1876, Monsenhor Calabiana foi pessoalmente ao convento de Santa Margarida e notificou à Madre Maria Matilde Bucchi e à sua comunidade a edificação canônica da Congregação com o título de IRMÃS DO PRECIOSÍSSIMO SANGUE. Se cumpria a profecia de Ancilla e Deus se revelava fiel ao seu projeto de amor. À Madre Maria Bucchi restavam poucos anos para gozar daquela realidade que durante tanto tempo sonhou e esperou, mas a certeza do cumprimento de sua missão a confortava, na fervorosa esperança de que outras irmãs levariam a diante a missão de ser corredentoras no resgate humano, lembrando as jovens que nossa Senhora das Dores lhe havia mostrado em uma visão quando ainda estava na procura de sua vocação.

“Eu estou no fim da vida”, disse às jovens irmãs no último Natal de sua existência terrena, “mas vós, que começais a vida religiosa, trabalhai para serdes santas! ”. Este foi o seu testamento espiritual, vindo a falecer no dia 01 de março de 1882.

Em 14 de dezembro de 1942 o Papa Pio XII concedeu à Congregação o definitivo reconhecimento canônico. A casa geral das Irmãs do Preciosíssimo Sangue está situada na Via Lecco, 6 – 20900 MB.

Atualmente, a Congregação está presente em quatro continentes: (Europa: Itália), (América: Brasil e Haiti), (África: Quênia) e (Ásia: Timor Leste e Myanmar). Temos a missão de proclamar na Igreja e no mundo a ação redentora de Jesus que com seu Sangue Precioso resgatou toda a humanidade.

A Congregação das Irmãs do Preciosíssimo Sangue, continuando o carisma da Fundadora, é enviada pela Igreja a cumprir a missão indicada por Madre Maria Bucchi na vida de oração, na educação, no serviço aos doentes, nos humildes trabalhos de casa ao longo dos 144 anos de fundação.

Em 12 de agosto de 1938, chegaram em Bragança, no Pará, as primeiras missionárias italianas: Irmãs Lúcia Colnago, Celina Casati, Adelaide Borroni, Vitória Benaglia e Maria Viganó. Posteriormente se mudaram para São Miguel do Guamá, onde vivem até hoje na Paróquia São Miguel Arcanjo.

Nosso carisma

Em aliança com Deus...

"Entre Deus e nós circula a mesma vida" está escrito em nossa "regra de vida": a nossa família religiosa foi formada em torno do mistério pascal de Jesus, com um olhar para o Mestre que se dedica à vida do homem, até o fim. É um vínculo eterno, tenaz, inquebrável selado na Cruz, e queremos continuar anunciando esta aliança que atravessa toda a história da salvação”.

Em comunidade...

Desejamos ser testemunhas visíveis de unidade e caridade para ser sinal na Igreja de Deus. Assim, formamos uma família modelada a imagem da primeira comunidade apostólica, onde os irmãos dividiam o pão, os pertences, as dificuldades, as dores e as alegrias do apostolado, para ser sinal profético de uma verdadeira fraternidade, embora provenientes de diferentes histórias e culturas.

Em Abertura...

Somos uma pequena família, mas nós nos abrimos para as grandes fronteiras da Igreja e do mundo; o Sangue de Cristo torna próximo os distantes, quebra as barreiras e inimizade. Por isso sentimos necessário caminhar com outros povos, outras espiritualidades, outras congregações, sem fechar-nos às solicitações da história.

Nossa Missão...

Dizer a todos o quanto vale cada vida ... pois custou um preço de valor "infinito": Este é o mandato que nos foi dado e que é transmitido de geração em geração, mesmo se as formas de anunciar evoluem. Desde os primeiros passos as nossas comunidades foram estimuladas a educar as jovens gerações porque, a aliança resulta em promover a capacidade de viver de forma responsável, reconhecendo os talentos expandindo continuamente o espaço do coração.

A palavra educação ressoa em nós como sinônimo de resgate, redenção, solidariedade e nos leva a estar entre crianças, adolescentes, jovens, famílias, idosos, nas instituições ou na simplicidade da vida diária.

Missão nas paróquias...

Desde o início o serviço na paróquia é o nosso compromisso fundamental diante de Deus e da Igreja. Colaborar com sacerdotes ajudando a educar os pequeninos na catequese, os jovens no processo de discernimento vocacional, na formação litúrgica, mas também a visitar os doentes, estimular a atenção daqueles que permanecem à margem, participar na vida da Igreja local, sem um projeto já feito, mas colocando-nos na escuta das necessidades do lugar onde nos encontramos. A única coisa que queremos é anunciar a alegria de uma vida consagrada totalmente a Deus e à Palavra de salvação que nos foi confiada.

Na Escola...

Na Itália e no Brasil existem algumas escolas abertas por nós, e contribuímos nas escolas públicas onde for possível. Podemos ensinar disciplinas específicas, mas acima de tudo, acompanhar o crescimento com enfoque na fé e no sentido da vida; partilhamos nossas habilidades, mas também colocamo-nos à disposição de tantos que precisam de acompanhamento.

No Caminhos espiritual...

A catequese é uma prioridade que nos orienta a incluir iniciativas de oração, de aprofundar a escuta da Palavra e da fé; Também acompanhamento vocacional é uma dimensão educativa que cultivamos em todos os lugares, não tanto porque as jovens vêm até nós, mas porque aprendemos a responder à aliança de Deus que pede amizade para cultivar novas vocações e autodoação.

Na saúde...

Estar ao lado de quem sofre faz parte da nossa história, com modalidades que evoluíram ao longo do tempo; hospitais militares, serviço aos pobres e, em seguida, nova atenção aos idosos, às situações de desnutrição, medicina natural, as doenças que marginalizam e afetam a dignidade da vida.

Na acolhida...

Acolher é um verbo querido por Deus e, portanto, a cada discípulo; as formas de acolhida mudam com o passar do tempo, mas o desejo essencial de irmandade permanece intacta; isso significa abrir espaço para os pequenos, viver entre os jovens e trabalhadores, visitar os presos e participar de projetos que a Igreja propõe.

A vocação...

Não é uma questão de santidade, porque todos nós somos chamados à santidade e a viver uma profunda experiência espiritual. Dedicar tempo para a escuta da Palavra e da vida na e para a Igreja não é uma prerrogativa das pessoas consagradas, nem das Irmãs do Preciosíssimo Sangue, mas parte essencial da vida batismal.

Apenas o próprio Senhor e Mestre é capaz de fazer sentir a sua voz e dirigir os seus desejos. Quem é chamado adverte que todos os estados de vida são bons e levam em direção, a um amor vivido em plenitude, mas sente impelido a dedicar sua vida a Deus na companhia de outras pessoas que já experimentaram o mesmo impulso. Em particular, nos fala a palavra da cruz e da Eucaristia, o dom de Jesus para a redenção de todos e seu amor ilimitado para os seres humanos que o leva a entregar-se, a fim de libertá-los.

A Fraternidade Preciosina

É uma associação constituída por leigos que se propõem a viver a espiritualidade do Preciosíssimo Sangue. Ela, mesmo sendo dotada de um estatuto próprio, não pode ser considerada Oficio Central, mais uma verdadeira e própria forma institucional de associação a um instituto religioso. A comunhão conosco é expressão da aliança marcada pelo Sangue de Cristo e, a alegria como manifestação da esperança que emana da Páscoa.

Casa Geral

Casa provincial

Comunidade Comunidade São Miguel Arcanjo das Irmãs Preciosinas - São Miguel do Guamá/ PA

Rua Justo Chermont, S/N, Centro

CEP: 68660-000 - São Miguel do Guamá - PA

Telefone: (91) 98757-4951 (Irmã Vera)

 

 

“O Senhor que dá o bom começo, o Senhor que dá o crescimento, dará perseverança até o fim”. Assim seja!

 

Província Nossa Senhora das Dores

 

 

As Irmãs do Preciosíssimo Sangue foram fundadas na Itália, em 17 de maio de 1876, pela Irmã Maria Matilde Bucchi. Chegaram em Bragança em 1938.

Fundação 1938
Província (91)3229-5636
Ir. Vera (91)98757-4951
Dúvidas? Entre em contato
91 3425-1108

Praça da Catedral, n° 368. Centro. Bragança-Pará.

secretario@diocesedebragancapa.org.br

Boletim de Notícias

Deixe seu e-mail para ser avisado de novas publicações